LEITURA E CONSTRUÇÃO SUBJETIVA: UMA ALTERNATIVA PARA PESSOAS ENCARCERADAS

Resumo

O artigo diz respeito ao projeto de Extensão Universitária desenvolvido pelo Laboratório de Práticas Sociais e Pesquisas sobre Violência (LPSPV), do Programa de Pós-Graduação em Memória Social (PPGMS) da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO), que está ancorado na concepção dialógica de língua, na qual os sujeitos são concebidos como atores/construtores sociais. Os seus alvos primordiais referem-se a subsidiar a atividade de leitura de pessoas encarceradas, bem como auxiliar na avaliação de suas reflexões por meio dos gêneros discursivos resenha e relatório de leitura. Para tanto, são realizadas oficinas periódicas no intuito de orientar os professores e interessados envolvidos no projeto sobre o gênero discursivo resenha/relatório de leitura de livro, apresentando materiais de referência criados pelos pesquisadores, acompanhados de exercícios que se refiram aos pontos contemplados nos referidos materiais. O propósito em questão é de grande importância para a população carcerária, uma vez que oferece um espaço de reflexão e debate sobre o cotidiano prisional e, principalmente, sobre a prospecção do retorno das pessoas presas, em condição de privação de liberdade, à dinâmica da vida social. A execução do projeto de forma continuada e com avaliações de seus frutos, quer pelo engajamento de professores, quer pelo desempenho das pessoas encarcerados, permite vislumbrar sua transformação em um dos vieses das políticas públicas referentes à integração social da pessoa presa.   


 

##plugins.generic.usageStats.downloads##

Não há dados estatísticos.

Referências

BRASIL. Lei n° 7.210, de 11 de julho de 1984. Institui a Lei de Execução Penal. Diário Oficial da União, seção 1, 1984.

CANDAU, Vera Maria Ferrão; SACAVINO, Susana Beatriz. (Org.). Educar em direitos humanos: construir democracia. Rio de Janeiro: DP&A, 2000.

FACEIRA, Lobelia da Silva. Por mais longa que seja a noite, o sol volta sempre a brilhar! A memória rompendo o silêncio entre paredes do cárcere. Revista Morpheus: estudos interdisciplinares em Memória Social, Rio de Janeiro, v. 9, n. 15, p. 323-344, 2016. Disponível em: http://www.seer.unirio.br/index.php/morpheus/article/view/5475/4929. Acesso em: 21 mar. 2019.

FREIRE, Paulo. A importância do ato de ler: em três artigos que se completam. Rio de Janeiro: Cortez, 2001.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 57. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2014.

FREIRE, Paulo. Política e educação. 2.ed. São Paulo: Paz e Terra, 2015.

JULIÃO, Elionaldo Fernandes. Escola na ou da prisão? Cadernos CEDES Campinas, v. 36, p. 25-42, 2016.

KOCH, Ingedore Villaça. Desvendando os segredos do texto. Rio de Janeiro: Cortez, 2002.

MENDES, Luiz Alberto. Memórias de um sobrevivente. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

ONU. Declaração Universal dos Direitos Humanos. c1996-2019. Disponível em: https://www.ohchr.org/EN/UDHR/Documents/UDHR_Translations/por.pdf. Acesso em: 21 mar. 2019.

PEREIRA, L. D. Política educacional dual e população carcerária: o (não) acesso à educação nas prisões. In: FARIAS, F. R.; FACEIRA, L. da S. (Org.). Punição e prisão: ensaios críticos. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2015.

SAVIANI, Demerval. A pedagogia no Brasil: história e teoria. 2.ed. Campinas: Autores Associados, 2012.

SECRETARIA DE ESTADO DE ADMINISTRAÇÃO PENITENCIÁRIA DO RIO DE JANEIRO. Resolução SEAP Nº 621, de 01 de Julho de 2016. Institui no âmbito do Sistema Penitenciário do Estado do Rio de Janeiro, a remição pela leitura. [2016?]. Disponível em: http://www.rj.gov.br/c/document_library/get_file?uuid=d384d410-ce20-49d3-a5a6-3c6c4129e97e&groupId=132926. Acesso em: 21 mar. 2019.

THOMPSON, Augusto Frederico Gaffrée. A questão penitenciária. Rio de Janeiro: Forense, 1998.

VIANNA, Glaucia Regina. Desigualdade e segregação: engrenagens para o circuito repetitivo do crime. In: FARIAS, F. R.; FACEIRA, L. da S. (Org.). Punição e prisão: ensaios críticos. Rio de Janeiro: Lúmen Juris, 2015. p.105-119.

VYGOTSKY, Lev Semenovich. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. São Paulo: Martins Fontes, 1988.
Publicado
2019-04-08
Como Citar
RAMOS DE FARIAS, Francisco; DE SOUZA PINTO, Diana; DUPRET, Leila. LEITURA E CONSTRUÇÃO SUBJETIVA: UMA ALTERNATIVA PARA PESSOAS ENCARCERADAS. Revista da Seção Judiciária do Rio de Janeiro, [S.l.], v. 22, n. 44, p. 77-89, abr. 2019. ISSN 2177-8337. Disponível em: <http://lexcultccjf.trf2.jus.br/index.php/revistasjrj/article/view/147>. Acesso em: 03 out. 2022. doi: https://doi.org/10.30749/2177-8337.v2n44p77-89.