O CURSO DE PEDAGOGIA: NOVAS PROPOSTAS, ANTIGOS EQUÍVOCOS

Resumo

Resumo: Este artigo põe em questão a proposta de reformulação das atuais Diretrizes Curriculares do Curso de Pedagogia, proposta que surge no bojo da aprovação, em 2019, da Base Nacional Comum para a Formação Inicial de Professores da Educação Básica. Apresenta um breve histórico das mudanças pelas quais passou este curso, discute o estatuto epistemológico da Pedagogia e a ampliação das possibilidades de atuação profissional dos pedagogos em espaços não escolares. Por fim, argumenta que tais aspectos relacionados ao estatuto epistemológico e profissional dos pedagogos são novamente ignorados pela proposta de reformulação do curso, com o agravante de que se pretende com ela também aumentar a fragmentação da formação docente na educação básica.

##submission.authorBiography##

##submission.authorWithAffiliation##

Pedagogo formado pela Uerj, mestre em Políticas Públicas e Formação Humana (PPFH/UERJ) e doutorando do mesmo programa. Atuo como professor de disciplinas pedagógicas da rede estadual de ensino do Rio de Janeiro e como pedagogo da Escola de Serviço Social da Universidade Federal Fluminense. 

Publicado
2021-12-06
Como Citar
MAGALHÃES, Jonas Emanuel Pinto. O CURSO DE PEDAGOGIA: NOVAS PROPOSTAS, ANTIGOS EQUÍVOCOS. LexCult: revista eletrônica de direito e humanidades, [S.l.], v. 6, n. 1, p. 84-97, dez. 2021. ISSN 2594-8261. Disponível em: <http://lexcultccjf.trf2.jus.br/index.php/LexCult/article/view/575>. Acesso em: 28 maio 2022.
Seção
Dossiê Educação no Brasil: esperança, drama ou farsa?