A EDUCAÇÃO A PARTIR DO FEMINISMO NEGRO

  • Flávia Helena Santos da Silva UNISUAM

Resumo

Neste artigo analisa-se o feminismo negro como uma ferramenta antirracista e uma forma de contribuição para a educação. Foram utilizados como base bibliográfica literatura especializada de mulheres negras e de educação decolonial, assim como consultados artigos científicos, selecionados por meio de busca nos bancos de dados do Scielo e Google Scholar. O estudo é baseado no protagonismo e resistências das mulheres negras e um meio de entendimento da formação do feminismo negro, extraindo-se dessa compreensão a relevância da decolonidade do saber. Assim, destaca-se situações das mulheres negras não só em seus movimentos de luta do cotidiano, mas principalmente na linha da intelectualidade, bem como seu lugar de fala e o que esse movimento pode contribuir para educação brasileira.

##submission.authorBiography##

##submission.authorWithAffiliation##

Advogada. Mestranda em Desenvolvimento Local - Centro Universitário Augusto Motta - UNISUAM.
Pós-Graduação em Direito Civil e Processo Civil pela UNISUAM. Pós-Graduanda em Educação das
Relações Étnico-Raciais no Ensino Básico (EREREBÀ) pelo Colégio Pedro II. Graduação em Direito
pelo Centro Universitário da Cidade (2004).

Referências

ALCOFF, Linda. Uma epistemologia para a próxima revolução. Sociedade e estado. Brasília, n.1, v.31, jan/abr., 2016. Disponível em: . Acesso em: 1 out. 2019.

BEAUVOIR, Simone. O segundo sexo: a experiência vivida. Tradução de Sérgio Millet. 4. ed. São paulo: Difusão Européiea do Livro, 1980a.

BELLO, E. O pensamento decolonial e o modelo de cidadania no novo constitucionalismo latino-americano. revista de estudos Constitucionais, Hermenêutica e Teoria do Direito(RECHTD), v.7, n.1, p-49-61, 2015.

CARNEIRO, Sueli. Enegrecer o feminismo: a situação da mulher negra na América latina a partir de uma perspectiva de gênero. In: ASHOKA EMPREENDEDORES SOCIAIS; TAKANO CIDADANIA(Orgs.). Racismos Contemporâneos. Rio de Janeiro: Takano Editora, 2003.(coleção valores e atitudes, série Valores; n.1. Não discriminação).

COLLINS, Patricia Hill. O que é um nome? Mulherismo, Feminismo Negro e além disso. Disponível em . Acesso em 23 fev.2020

__________________. Aprendendo com a outsider within: a significação sociológica do pensamento feminista negro. Sociedade e Estado, v.31,n.1, p.99-127, 2016.

ESCOBAR, A. Mundos y conhecimientos de outro mundo – O programa de investigación de modernidade/colonialidad latinoamenricano. Revista Tabula Rasa, n.4, p.50-161, 2003.

FREIRE, P. pedagogia do oprimido. 17.ed. Rio de Janeiro: Paz e terra, 1987.

GONZÁLES, Lélia. Racismo e sexismo na cultura brasileira. revista Ciências sociais Hoje, Anpocs, 1984. Disponível em: . Acesso em: 6 out.2019

HOOKS, B. Ensinando a transgredir: a educação como prática da Liberdade. São Paulo: Martins Fontes, 2013.

_________. Amando a negritude como resistência política. São Paulo: Elefante, 2019.

KILOMBA, Grada. Plantation Memories: Episodes of Everyday Racism. MUnster: Unrast Verlag, 2012.

MIGNOLO, W. Pensamento decolonial, desprendimiento y apertura. In: MIGNOLO, W.(org), Habitar la frontera: sentir y pensar la descolonialidad. Barcelona: CIDOB, 2015.

OLIVEIRA, L.B.DE SÁ; CUNHA JÚNIOR, H.A. A importância da lei federal n. 10639/03. revista África e africanidades. Ano 4. n. 16 e 17. fev-maio, 2012.

OLIVEIRA, L.F. DE. O que é uma educação decolonial.,2010.

PENNA, C. Paulo freire no pensamento decolonial: um olhar pedagógico sobre a teoria pós-colonial latino-americana. revista de Estudos e pesquisas sobre as Américas, v.8, n.2, p.181-199, 2014.

REYMÃO, A.E.N.; KOURY, S.E.C. Desenvolvimento, trabalho e políticas públicas. Salvador: editora Juspodivm, 2017.

RIBEIRO, Djamila. O que é lugar de fala? Belo Horizonte: Letramento, 2017.

SEN, A. Desenvolvimento Como Liberdade. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

SPIVAK, Gayatri C. Pode o subalterno falar? Belo Horizonte: UFMG, 2010.

TONET, I. Educação contra o capital. São Paulo: Instituto Lukácks, 2012.

WALSH, C. Introducion - (Re) pensamiento crítico y (de) colonialidad. In: WALSH, C.(Orgs.). Pensamiento crítico y matriz (de)colonial. Reflexiones latinoamericanas. Quito: Ediciones Abyayala, 2005. p.13-35.
Publicado
2020-11-27
Como Citar
DA SILVA, Flávia Helena Santos. A EDUCAÇÃO A PARTIR DO FEMINISMO NEGRO. Lex Cult Revista do CCJF, [S.l.], v. 4, n. 3, p. 93-107, nov. 2020. ISSN 2594-8261. Disponível em: <http://lexcultccjf.trf2.jus.br/index.php/LexCult/article/view/332>. Acesso em: 23 abr. 2021. doi: https://doi.org/10.30749/2594-8261.v4n3p93-107.