O INDIVÍDUO E A SOCIEDADE PARA ALÉM DAS PARTES E DO TODO

UMA LEITURA PSICANALÍTICA E FILOSÓFICA

  • Mariana Monteiro Universidade Cândido Mendes
  • Maria Alice Nunes Costa Universidade Federal Fluminense

Resumo

O presente artigo objetiva realizar uma reflexão ontológica transdisciplinar, partindo de princípios epistemológicos da filosofia, da sociologia e da psicanálise, sobre a relação entre sujeito e fenômeno social. Partimos do pressuposto de que não há entre eles quebra de continuidade, nada havendo a se falar em transcendência do político sobre o social ou do todo sobre as partes. Em outras palavras, o Estado não se impõe sobre o social, “domando” a natureza caótica do ser humano, assim como a sociedade não se impõe ao indivíduo. Acreditamos que, em ambos os casos, não há relação de transcendência ou cisão, mas de imanência, imbricação. A sociedade produz subjetividades, na mesma medida em que produz a si mesma. Neste sentido, nosso objetivo é fazer, a partir das matrizes teóricas apresentadas, uma inflexão de que a vida experimentada coletivamente (não em abstrato), é justamente o que permite a realização das potências humanas de forma plena, algo que jamais se alcança em isolamento, sem que rompamos com nosso isolamento “habitual”. Por fim, indagaremos sobre a possibilidade da emergência de uma sociedade alternativa na qual os indivíduos possam reconstruir o sentido de comunidade a partir de uma vivência coletiva que se dê no “viver com”, um “viver junto” sem, contudo, ceder à tentação de fundir-se ao conformismo “rebanho” que anula as singularidades. Uma comunidade de-subjetivada, que prescinda do sujeito egóico, mas não da comunhão com o outro. A metodologia de nossa investigação centrar-se-á na análise bibliográfica de autores de referência como Castoriadis, Freud, Marx, dentre outros.

Biografia do Autor

##submission.authorWithAffiliation##

Doutora em Sociologia e Direito pelo Programa de Pós-Graduação em Sociologia e Direito (PPGSD) da Universidade Federal Fluminense (2019). Mestre em Direito Constitucional e Teoria do Estado pela PUC-Rio (2006). É professora da Pós- Graduação Lato Sensu da Universidade Candido Mendes (AVM).

##submission.authorWithAffiliation##

Socióloga, Cientista Política e Urbanista. É Pós-Doutorada em Sociologia pelo Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra; Doutora em Planejamento Urbano e Regional pela Universidade Federal do Rio de Janeiro; Mestre em Ciência Política pela UFF.  É Professora Associada da Universidade Federal Fluminense no Instituto de Arte e Comunicação Social e do Programa de Pós-Graduação em Sociologia e Direito da Universidade Federal Fluminense (PPGSD/UFF).

Referências

CASTORIADIS, Cornelius. Encruzilhadas do labirinto 5: feito a ser refeito. São Paulo: DP&A, 1998.

DELEUZE, Giles; GUATTARI, Felix. Mil platôs. Rio de Janeiro: Ed.34, 1995.

ELIAS, Norbert. A sociedade dos indivíduos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editores, 1994.

FREUD, Sigmund. Mal-estar na Civilização. In: O futuro de uma ilusão, o Mal-estar na civilização e outros trabalhos (1927-1931). Rio de Janeiro: Imago, 1996. v. 21.

FROMM, Erich. Sane society. London: Routledge Editors, 1995.

FROMM, Erich. A arte de amar. São Paulo: Martins Fontes, 1990.

MARX, Karl. O capital. São Paulo: Boitempo Editorial, 2011.

MORIN, Edgar. Introdução ao pensamento complexo. Porto Alegre: Sulina, 2005.

NANCY, Jean-Luc. Prefácio. In: ESPOSITO, Roberto. Communitas: Origen y destino de la comunidade. Buenos Aires: Ed. Amorrotu, 2003.

NANCY, Jean-Luc. A comunidade inoperada. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2016.

SPINOZA, Baruch de. Ética. Belo Horizonte: Autêntica, 2009.
Publicado
2020-05-09
Como Citar
MONTEIRO, Mariana; COSTA, Maria Alice Nunes. O INDIVÍDUO E A SOCIEDADE PARA ALÉM DAS PARTES E DO TODO. Lex Cult Revista do CCJF, [S.l.], v. 4, n. 1, p. 95-117, maio 2020. ISSN 2594-8261. Disponível em: <http://lexcultccjf.trf2.jus.br/index.php/LexCult/article/view/331>. Acesso em: 07 jul. 2020. doi: https://doi.org/10.30749/2594-8261.v4n1p95-117.
Seção
Artigos

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##