A INVENÇÃO DO ARQUIVO PESSOAL DE SANTOS DUMONT

Resumo

O trabalho objetiva discutir como se deu a constituição do que hoje se conhece como o Arquivo Pessoal de Santos Dumont. O referido conjunto documental foi doado ao Centro de Documentação da Aeronáutica (CENDOC), Organização Militar (OM) do Comando da Aeronáutica (COMAER), em 2004 e é constituído por 2716 unidades documentais, sendo 764 documentos iconográficos e 1,57 metros lineares de documentos textuais, reunidos pelo pai da Aviação até 1932, além dos acréscimos selecionados pelo Brigadeiro Lavenère-Wanderley, na década de 1960. Esse conjunto documental, apesar de não ser fruto das funções e atividades desenvolvidas por Dumont, é representativo de sua trajetória numa perspectiva pessoal, visto que esse conjunto fora acumulado a partir de clippings ora solicitados por Santos Dumont. No nível de conteúdo, os documentos refletem suas atividades. Esse conjunto hoje possui, portanto, força de representação documental sobre a vida de Santos Dumont e apresenta documentos provenientes da ação do Santos Dumont de agregar registros sobre sua vida. A pesquisa se fundamentou em problematizar o processo de constituição do conjunto documental que hoje é considerado o arquivo pessoal de Santos Dumont. Nesse sentido buscou-se, através de diálogos com a teoria arquivística, descrever a história arquivística do acervo, a fim de comparar o processo de produção desse arquivo com o de um arquivo pessoal. Espera-se, com este trabalho, demonstrar que, apesar não podermos considerá-lo, no sentido canônico da definição, um arquivo pessoal, este é sim o arquivo pessoal de Santos Dumont, a partir da história arquivística apresentada.

Referências

ABELLÁS, José Benito Yárritu. Arquivos pessoais, saberes coletivos: a organização da documentação pessoal e pública de cientistas – o caso Hussak. In: Silva, Maria Celina Soares de Mello; Santos, Paulo Roberto Elian dos. (org.). Arquivos pessoais: história, preservação e memória da ciência. Rio de Janeiro: Associação dos Arquivistas Brasileiros, 2012. p. 75-88.

ARQUIVO NACIONAL (Brasil). Dicionário brasileiro de terminologia arquivística. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2005.

ASSIS, Ailton. Um lampião dentro da mala: o arquivo pessoal de Octávio Pacheco, memória e autobiografia. 2009. 264 p. Dissertação (Mestrado em Letras) – Universidade Federal de São João Del Rei, Minas Gerais, 2009.
BELLOTTO, Heloísa Liberalli. Arquivos permanentes: tratamento documental. 2. ed. Rio de Janeiro: FGV, 2004.

BELLOTTO, Heloísa Liberalli. Arquivos permanentes: tratamento documental. 4. ed. Rio de Janeiro: FGV, 2006.

BRASIL. Lei no 8.159, de 8 de janeiro de 1991. Dispõe sobre a política nacional de arquivos públicos e privados e dá outras providências. Brasília, DF: Presidência da República, 1991. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L8159.htm. Acesso em: 14 fev. 2015.

CASANOVA, Eugenio. Archivistica. 2. ed. Siena: Lazzeri, 1928.

DEMO, Pedro. Educar pela pesquisa. Campinas: Autores Associados, 1996.

GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

HEYMANN, Luciana Quillet. Indivíduo, memória e resíduo histórico: uma reflexão sobre arquivos pessoais e o caso Filinto Müller. Revista Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 10, n. 19, p. 41-66, 1997.

HEYMANN, Luciana Quillet. O indivíduo fora do lugar. Revista do Arquivo Público Mineiro, Belo Horizonte, v. 45, n. 2, p. 40-57, jul./dez. 2009.
LOPEZ, André Porto Ancona. Tipologia documental de partidos e associações políticas brasileiras. São Paulo: USP, 1999.

MILLAR, Laura Agnes. A morte dos fundos e a ressurreição da proveniência: o contexto arquivístico no espaço e no tempo. Informação Arquivística, Rio de Janeiro, v. 4, n. 1, p. 144-162, jan./jun. 2015.

MINAYO, Maria Cecília de Souza (org.) et al. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes, 2004.

PROCHASSON, Christophe. Atenção: verdade! Arquivos privados e renovação das práticas historiográficas. Revista Estudos Históricos. Rio de Janeiro, FGV, v. 11, n. 21, 1998.

SANTOS, Paulo Roberto Elian. Arquivos de cientistas: gênese documental e procedimentos de organização. São Paulo: Associação dos Arquivistas de São Paulo, 2012.

THOMSON, Alistair. Recompondo a memória: questões sobre a relação entre história oral e as memórias. Projeto História. São Paulo, n. 15, p. 51-84, 1997.
Publicado
2019-12-19
Como Citar
PINTO DA SILVA, Bárbara Cristina Barbosa. A INVENÇÃO DO ARQUIVO PESSOAL DE SANTOS DUMONT. Lex Cult Revista do CCJF, [S.l.], v. 3, n. 3, p. 157-175, dez. 2019. ISSN 2594-8261. Disponível em: <http://lexcultccjf.trf2.jus.br/index.php/LexCult/article/view/280>. Acesso em: 31 mar. 2020.