HISTÉRICAS, ORDINÁRIAS E LOUCAS: O EROTISMO CONSERVADOR DAS PORNOCHANCHADAS

  • Julia Dias Alimonda UFF

Resumo

Este artigo tem como objetivo analisar o erotismo e a representação do feminino na pornochanchada, gênero mais popular na história do cinema nacional. Durante a conservadora ditadura militar, a erotização dominava as telas do mundo todo, chegando ao Brasil na forma de pornochanchada. Esses filmes driblavam a censura e apresentavam discursos sexuais altamente indecentes para os valores morais da época, mas, por não apresentarem críticas explícitas à política da ditadura militar, o gênero foi considerado alienante e fútil pela crítica, mostrando o desprezo ao cinema das massas e aos discursos sexuais. Fica evidente que a erotização exposta nas telas era conservadora, já que os estereótipos femininos perpetuavam os papéis de gênero com a função de agradar os desejos do público masculino.

Publicado
2019-05-24
Como Citar
DIAS ALIMONDA, Julia. HISTÉRICAS, ORDINÁRIAS E LOUCAS: O EROTISMO CONSERVADOR DAS PORNOCHANCHADAS. LexCult: Revista do CCJF, [S.l.], v. 3, n. 1, p. 48-58, maio 2019. ISSN 2594-8261. Disponível em: <http://lexcultccjf.trf2.jus.br/index.php/LexCult/article/view/197>. Acesso em: 17 ago. 2019. doi: https://doi.org/10.30749/2594-8261.v3n1p48-58.
Seção
Dossiê: Forúm de Audiovisual